segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Resenha: 1984



Sinceramente ao começar a ler a história não estava empolgada, pois eu fui obrigada a ler para fazer uma prova, mas quando fui lendo percebi que não era algo em que eu iria me arrepender. Vou falar um pouco da história e dos personagens para vocês.

O livro é dividido em 3 partes e tem como cenário uma sociedade totalmente aprisionada pelo Partido, o totalitarismo reinava forte naquela época, onde nada era ilegal, pois não haviam leis, mas se o fato "criminoso" fosse descoberto era praticamente certo que fosse punido com a morte. O Partido controlava o pensamento dos cidadãos, entre muitos outros meios, pela manipulação da língua, que lá era chamada de Novilíngua, que quando estivesse totalmente completa impediria a expressão de qualquer opinião contrária ao regime. O Partido era controlado pelo Grande irmão, que possuía sua foto estampada por toda a sociedade e como legenda havia "O grande irmão está de olho em você", mas ele nunca foi visto pessoalmente por ninguém.


Eu pesquisando, e como curiosidade para vocês: 
"O reality show, Big Brother, é baseado no conceito de pessoas com constante vigilância proveio deste personagem. Em 2000, após o "Big Brother" estrear nos Estados Unidos pela Columbia Broadcasting System, uma empresa chamada "Orwell Productions, Inc." entrou com um processo no tribunal federal de Chicago, por violação dos direitos de autor e de smarca. Na véspera do julgamento, o caso resolvido a nível mundial para as partes com "satisfação mútua." O dinheiro que a CBS pagou nunca foi divulgado. Porém o romance 1984 permanecerá sob proteção autoral até 2044."  -Wikipedia.

No meio desse cenário está Winston, que trabalhava no partido (lugar onde se manipulava toda a informação) e como função ele tinha de escrever e alterar dados de acordo com o interesse do partido. Lá conheceu Julia - que trabalhava no Departamento de Ficção - por quem se apaixonou, mas havia um problema, pois era totalmente proibido que pessoas do partido se relacionassem, exceto na relação profissional. Os dois acabaram se envolvendo e juntos compartilhavam sua revolta contra o partido, com o pensamento de haver a possibilidade de existir mesmo "A confraria", que era a organização anti-Grande Irmão. Assim, suspeitava que O'brien - membro do núcleo do partido e ocupava também um cargo importante lá - poderia ser um grande aliado, assim confiando nele e aumentando mais ainda a sua expectativa de existir algo que futuramente pudesse vir a derrubar o partido que tanto oprimia a população. 

Sinceramente achei o final do livro um pouco revoltante, mas achei uma ótima crítica ao regime, pois retrata muito fielmente o que acontece, a manipulação, a punição pela expressão de pensamento, o uso de teletelas para vigiar a todos, chegava ao ponto de que se o partido dissesse que 2 + 2 são 5, então seria 5. Winston estava cansado dessa opressão e ao tentar se manifestar contra, mesmo que não publicamente, acabou lidando com as pessoas erradas, chegando ao final do livro, no qual não gostei muito, mas no geral o livro é muito bom, recomendo!


Nota: ☆☆☆☆

Autor: George Orwell
Ano de Lançamento: 2009
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 416

2 Comments:

Helena Machado said...

Ah, esse livro... é tão maravilhoso que resolvi fazer minha monografia usando ele como corpus.

Também senti revolta ao ler esse livro, e me colocava no lugar dos personagens.
Acho que qualquer um que queira ler uma boa distopia deveria ler 1984, que não é um clássico à toa.
Gostei da resenha :)

Abraço

Leituras & Gatices

Perfect Pick #001 said...

Oii Luisa
Eu também não gostei muito do final do livro, mas depois que refleti um pouco mais sobre isso, cheguei a conclusão de que era o final perfeito. Se todos vivem felizes para sempre, não seria uma distopia e onde estaria a verdadeira crítica? Acho que esse final só reforça a ideia crítica que já está presente no livro todo.
Adoro esse livro!!
Abraços
perfectpick001.blogspot.com.br

Postar um comentário